USB flash drive

Memória USB Flash Drive (comumente conhecido como pen drive, pen, disco removível ou chaveiro de memória) é um dispositivo de armazenamento constituído por uma memória flash tendo aparência semelhante à de um isqueiro ou chaveiro e uma ligação USB tipo A permitindo a sua conexão a uma porta USB de um computador. As capacidades atuais de armazenamento são 64 MB a 256 GB. A velocidade de transferência de dados pode variar dependendo do tipo de entrada.

Eles oferecem vantagens potenciais com relação a outros dispositivos de armazenamento portáteis, particularmente disquetes. São mais compactos, rápidos, têm maior capacidade de armazenamento, são mais resistentes devido a ausência de peças móveis. Adicionalmente, tornou-se comum computadores sem drives de disquete. Portas USB por outro lado, estão disponíveis em praticamente todos os computadores pessoais e notebooks. Os drives flash utilizam o padrão USB mass storage (“armazenamento de massa USB” em português), nativamente compatível pelos principais sistemas operacionais modernos como Windows, Mac OS X, Linux, entre outros. Em condições ideais, as memórias flash podem armazenar informação durante 10 anos.

História

Primeiro produto comercial Flash drive com conector USB retráctil. Trek e Tecnologia da IBM começou a vender as primeiras unidades flash USB comercialmente em 2000. Singapura Trek Tecnologia empresa vendeu um modelo apelidado o “ThumbDrive”, e IBM comercializados a primeira dessas unidades na América do Norte, com o seu produto “DiskOnKey” (que foi fabricado pela M-Systems). USB flash drive da IBM tornou disponível 15 de dezembro de 2000, e tinha uma capacidade de armazenamento de 8 MB, mais de cinco vezes a capacidade do, na época, comumente utilizado disquete.

Em 2000 introduziu um Lexar Compact Flash (CF) cartão com uma conexão USB, e um companheiro cartão leitura/escritor e cabo USB que eliminou a necessidade de um hub USB.

Em 2004 Trek Tecnologia trouxe várias ações judiciais contra outros USB flash drive fabricantes e distribuidores em uma tentativa de fazer valer os seus direitos de patente para a unidade flash USB. Um tribunal de Cingapura ordenou a cessar concorrentes vendendo produtos similares que poderiam ser abrangidos pela patente da Trek, mas um tribunal do Reino Unido revogou uma das patentes da Trek naquele país.

Em 2009, a Kingston lançou um pendrive com capacidade de 256 GB, o Kingston 300, a maior até aquele ano com as seguintes dimensões 70,68 mm x 22,37 mm x 16,45 mm, leitura a 20 MBps e gravação a 10 MBps.[1]

Segunda geração

Toshiba TransMemory Flash Drive vem pré-instalado com o U3, permitindo que os usuários tomem as suas aplicações, totalmente instalado e operacional, para qualquer área de trabalho. Modern flash drives têm conectividade USB 2.0.1000 GB No entanto, eles não utilizam atualmente o pleno 480 Mbits (60M Bytes/s), a Hi-Speed USB 2.0 suporta especificação devido a limitações técnicas inerentes flash NAND. Típico arquivo transferência global de velocidades variam consideravelmente, e deve ser verificada antes da compra; velocidades poderão ser dadas em megabytes ou megabits por segundo. Típico fast drives de ler a alegação de até 30 megabytes (MB/s) e escrever em cerca de metade disso. Antigas “USB plena velocidade” 12 mebibyts/s dispositivos são limitados a um máximo de cerca de 1 MB/s.

Tecnologia

Memória não flash combina uma série de tecnologias mais antigas, com o baixo custo, baixo consumo de energia e tamanho reduzido possibilitadas pelos recentes avanços na tecnologia microprocessador. A memória de armazenamento é baseada em anteriores EPROM EEPROM e tecnologias. Estes tinham capacidade muito limitada, eram muito lentos para ambos leitura e escrita, exigida complexa unidade circuitos de alta tensão, e só poderia ser re-escrita depois de apagar todo o conteúdo do chip.

Hardware designers desenvolveram mais tarde EEPROM com o apagamento região divididas em pequenos “campos” que poderiam ser apagados individualmente, sem afectar os outros. A modificação do conteúdo de uma determinada localização de memória envolvidas primeiro copiar todo o campo em uma off-chip de memória buffer, apagando o campo e, em seguida, voltar a escrever os dados de volta para o mesmo campo, fazendo as necessárias modificações relevantes para a memória local enquanto fazem assim. Isto exigiu apoio considerável computador, e PC-Based EEPROM memória flash frequentemente levado os seus próprios sistemas dedicados microprocessador sistema. Flash drives são mais ou menos uma versão deste miniaturizados.
O desenvolvimento da alta velocidade, tais como interfaces seriais dados USB pela primeira vez feita com sistemas de memória de armazenamento viável seriadamente acessados, e, simultaneamente ao desenvolvimento de pequenas e de alta velocidade e baixa potência sistemas de microprocessadores permitiu esta a ser incorporadas nos sistemas extremamente compacto . Serial acesso também reduziu grandemente o número de conexões elétricas exigidas para a chips de memória, o que tem permitido o sucesso fabricação de capacidades multi-(gigabyte). (Todas as ligações eléctricas externas é uma fonte potencial de produção falha, e com o fabrico tradicional, um ponto onde é rapidamente alcançado o sucesso abordagens rendimento zero).

Acessar computadores modernos sistemas de memória flash muito bem como unidades de disco rígido, quando o responsável pelo sistema tem total controle sobre as informações na verdade estão armazenadas. O real EEPROM escrita e apagamento processos são, no entanto, ainda muito semelhantes aos anteriores sistemas descritos acima.

Muitos de baixo custo MP3 Players basta adicionar um software extra para um padrão de memória flash controle microprocessador para que ele também pode servir como um decodificador ouvir música. A maior parte destes jogadores também pode ser usado como um flash drive convencional.

Diferenciação

Apesar do formato padrão de um pen drive ser o retângulo, comprido e fino, hoje em dia muitos já se destacam por seus formatos diferenciados, como caveira, dedo, ursinho de pelúcia, carro. E sua utilidade não é apenas de armazenamento, servindo também como decoração, chaveiro e colar. [2]

Utilização

Imagem mostrando o tamanho de um Pen Drive.Para ter acesso aos dados armazenados no drive flash, este deve estar conectado ao computador, tanto diretamente quanto através de um hub USB. O drive fica ativo apenas quando ligado à porta USB e obtém toda a energia necessária através da corrente elétrica fornecida pela conexão. Alguns drives no entanto, especialmente os modelos de velocidade mais alta, podem necessitar de mais energia que a fornecida pelo hub USB, como os disponíveis em teclados e monitores (ecrãs em Portugal).

Em computadores com sistema operacional Windows 7, Windows Vista, Windows XP ou com as versões recentes do Linux ou MacOS, os flash drives são reconhecidos automaticamente como dispositivos de armazenamento removível. Em sistemas operacionais mais antigos (como o Microsoft Windows 98), é necessário instalar um pacote de software denominado “driver”, específico para o dispositivo utilizado, que permite seu reconhecimento pelo sistema operacional. Há alguns “drivers” anunciados como genéricos ou universais para Windows 98, mas nem sempre funcionam perfeitamente com qualquer dispositivo.

Alguns modelos podem reproduzir música MP3 e sintonizar Rádio FM. Em contrapartida, são um pouco mais caros, volumosos e pesados, por utilizar uma pilha (geralmente no tamanho AAA), ou bateria interna. Vale salientar que esses modelos já podem ser “classificados” como MP3 Player ou S1 MP3 Player. Componentes internos de uma memória flash típica

(Modelo Saitek USB1.1 )

1 Conector USB

2 Dispositivo de controle de armazenamento USB

3 Pontos de teste

4 Chip de memória flash

5 Oscilador de cristal

6 LED

7 Chave de proteção contra gravação

8 Espaço para um chip de memória flash adicional

Componentes

Um flash drive consiste de uma pequena placa de circuito impresso protegido tipicamente por um invólucro de plástico ou metal. O que o torna resistente o bastante para ser carregado em um bolso. Apenas o conector USB fica exposto – muitas vezes protegido por um tipo de capa – ou então é retrátil, sendo recolhido para dentro do corpo do drive. A maioria dos dispositivos usa o conector padrão USB tipo-A permitindo que sejam conectados diretamente à porta de um computador pessoal.

Componentes essenciais

Existem normalmente quatro partes de um drive flash:

Conector USB macho do tipo A – Interface com o computador.

Controlador USB Mass Storage – Implementa o controlador USB e disponibiliza uma interface linear e padronizada (pelo próprio padrão USB). O controlador contém um microprocessador RISC e uma quantidade (em geral reduzida) de memória ROM e RAM embutida.

NAND flash – Armazena a informação, o mesmo tipo de memória é usado em câmeras digitais

Oscilador de cristal – Produz um sinal de relógio com 12 MHz, que é usado para ler ou enviar dados a cada pulso.

Componentes opcionais

Aparência interna do USB Flash DriveAlguns drives podem também incluir:

Jumpers e pinos de teste – Para testes durante a sua produção.

LEDs – Que indicam quando se está a ler ou a escrever no drive.

Interruptor de modo de escrita – Para que não se possa apagar ou gravar algo no dispositivo.

Reconhecedor de impressão digital – Para que nenhuma pessoa não autorizada utilize o dispositivo.

Capa de proteção dos conectores – Evitam que os contatos do dispositivo se sujem ou oxidem..

Fonte: http://adrianoyorinori.blogspot.com

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s