80% das crianças americanas podem nunca ver um céu estrelado

whenthemoonisonthe7thhouse
Uma vez, muito tempo atrás fui visitar um sítio no interior do RJ. Andávamos pelo pomar, à beira de um lago, colhendo tangerina, misturando com cachaça produzida em alambique próprio e reclamávamos daquela vida dura. Uma típica noite de verão, escura, sem Lua, mas quente (sim, já fez calor no RJ).
Do nada um ponto de luz surgiu, traçando uma linha luminosa que percorreu pelo menos metade do céu. Comecei a contar, e ela durou 12 segundos exatos antes de desaparecer. No segundo 8 eu já tinha certeza que era um portal interdimensional ou uma ruptura do tecido espaço-temporal, mas era “só” um meteoro.
O ângulo foi perfeito, ele entrou quase paralelo, toda sua energia cinética foi transformada em luz e calor, um espetáculo astronômico inofensivo, emoldurado por um céu magnificamente estrelado, que muita gente nunca verá.
Quer um exemplo? Pergunte a seus amigos qual o tamanho da Via Láctea no céu. A maioria dirá que é minúscula, quase todos nunca a terão visto, e é uma galáxia inteira. Na verdade a Via Láctea ocupa uma faixa inteira do céu, mas vivemos em cidades com tanta poluição luminosa que é impossível visualizá-la.
acheagalaxia
Nos grandes centros somente as estrelas e planetas mais brilhantes são visíveis, e temos que ir cada vez mais para o interior, se quisermos condições ideais de observação. E quem tem tempo pra isso?
Paul Bogard, autor de The End of Night: Searching for Natural Darkness in an Age of Artificial Light alerta para o fim da “Noite” como a conhecemos. Vivemos em cidades, passeamos em outras cidades, andamos na rua em locais bem iluminados e nosso medo da escuridão rivaliza o do tempo das cavernas.
Uma criança de classe média típica dos EUA viverá de shopping centre (em inglês, mall) em shopping centre, quando se tornar adolescente sairá do metrô direto pra boate, danceteria ou seja lá onde essas malditas crianças se reúnam, mas sempre sem olhar para cima, e se olharem, verão no máximo uma lâmpada.
Escuridão significa se afastar das benesses da Civilização e ninguém quer isso. Sem tomada pra carregar o 3DS, nem pensar. Com isso estamos dando as costas –literalmente- para o Universo. Deitar na grama em uma noite sem lua, esperar meia-hora até a visão atingir o máximo de sensibilidade e então perceber que estamos vendo 10x mais estrelas do que o normal, meteoros e satélites? Isso é tão alienígena quanto… um alienígena.
Um tempo atrás o New York Times fez uma série de montagens mostrando como seria o céu das grandes cidades do mundo, sem a iluminação artificial. Claro, cairíamos no caos, na anarquia, no vandalism-tá, já caímos, mas seria pior- é inviável, mas não custa sonhar. Veja como seria São Paulo…
sabiaqueoHaddadnaoiapagaracontadeluz
Se você é um adulto, já era, mas se tem acesso a crianças (legalmente, por favor) arrume um fim de semana e leve-as a lugares como o Planetário do Rio, ou procure organizações como o Clube de Astronomia de São Paulo. Eles organizam eventos e passeios curtos de observação, em locais remotos e ideais para enfiar o pé na lama, olhar para cima e perceber que não somos feitos de barro, mas de estrelas.
Via: MeioBit
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s