Kenny Baker, o R2D2, morre aos 81 anos

Kenny Baker, que ficou mais conhecido por ser a pessoa dentro do R2D2 nos filmes Star Wars, morreu neste sábado (13/8).

O ator sofria de nanismo, o que fazia ele ter diversos problemas de saúde na velhice.

A sobrinha de Baker, Abigail Shield, confirmou a morte do tio ao jornal The Guardian e falou que, por causa do estado de saúde, já era esperado o falecimento do ator. “Ele tinha problema nos pulmões e estava constantemente em uma cadeira de rodas”.

Ela ainda revelou que Baker queria ter ido à premier de O Despertar da Força, mas não conseguiu por estar já muito doente.

Kenny Baker viveu R2D2 tanto na trilogia original quanto nos episódios I, II e III.

 

Via: JovemNerd

Anúncios

Conheça os códigos secretos dos smartphones Android

O sistema operacional Android, que equipa boa parcela dos smartphones atuais, é repleto de ajustes e configurações especiais. Dentre eles estão alguns códigos secretos que, quando digitados, dão acesso a opções que podem não ser encontradas nos menus da plataforma do Google. Conheça esses comandos:
 
Códigos permitem acessar configurações secretas do seu smartphone (Foto: Reprodução  / Dario Coutinho)
Códigos do Android permitem acessar configurações secretas do seu smartphone (Foto: Reprodução / Dario Coutinho)
Aviso
Antes de continuar é importante avisar que alguns códigos podem danificar de forma permanente o seu aparelho. Vale notar também que alguns deles são de versões anteriores ao Android 4.1 (Jelly Bean). Portanto, certos comandos podem simplesmente não funcionar.
 
Inserindo os códigos
 
Todos os códigos são acessados através da opção de discagem do aparelho.Basta digitar qualquer uma das sequência de caracteres: não é necessário nenhum outro comando, como por exemplo tocar na opção “ligar”.
 
*#*#4636#*#*
O código acima apresenta várias informações extras sobre o seu smartphone em um menu chamado “Testando”. Nele estão opções como: “Informações do telefone”, “Informações da bateria”, “Estatísticas de uso”, “Wi-Fi information” e “Serviços do fabricante”. Ao acessar cada opção, o usuário terá acesso a informações sobre o hardware do seu aparelho. Quesitos como voltagem da bateria, intensidade do sinal Wi-Fi, qualidade da rede dados serão exibidos. É uma opção interessante para usuários avançados.
 
*2767*3855# e *#*#7780#*#*
 
É preciso tomar cuidado com esse códigos: eles apagam de forma permanente as informações contidas no seu aparelho. O primeiro (*2767*3855#) é o factory format, ou formatação de fábrica, que restaura o seu smartphone para as configurações originais. É um recurso interessante para quando o usuário for vender o aparelho.
 
O segundo comando (*#*#7780#*#*) é o factory data reset, que apaga todos os dados de sua conta do google vinculada ao seu smartphone, como também aplicativos e dados do mesmo. As duas opções não apagam dados que estejam em uma partição separada do smartphone ou em um cartão de memória.
 
Códigos secretos para android possibilitam ver informações que não são exibidas normalmente  (Foto: Reprodução  / Dario Coutinho)
Códigos exibe informações sobre bateria e estatísticas de uso no seu Android (Foto: Reprodução / Dario Coutinho)
 
*#*#34971539#*#*
O código acima, quando digitado, fornece informações sobre a sua câmera. Ele apresenta quatro opções de menu: “Update camera firmware in image”, “Update camera firmware in SD card”, “Get camera firmware version” e “Get firmware update count”. Utilize este código apenas para visualizar a versão do drive da sua câmera (“Get camera firmware version”). Não é recomendado que você utilize as opções que começem com “Update” pois elas poderão danificar seu aparelho
 
*#*#197328640#*#*
 
Esse comando possibilita fazer testes no seu smartphone com Android. Estão incluídas serviços como a verificação de tela, antena, áudio e desbloqueio de funções do aparelho. Esse código é utilizado por técnicos para realizar reparos, por isso, em caso de uso inapropriado pode acabar danificando seu aparelho.
 
– Opções para testes nos smartphones:
Há também alguns códigos que são utilizados para realizar testes de forma separada. Nem todos eles funcionam nos aparelhos atuais e  deve-se ter muito cuidado ao utilizá-los, principalmente os testes de LCD e Touchscreen. Veja a lista:
 
*#*#232339#*#*, *#*#526#*#* ou *#*#528#*#* – Realiza testes de WLAN;
 
*#*#232338#*#*  – Mostra o endereço MAC (necessário em certas configurações de rede Wi-Fi);
 
*#*#1472365#*#* e *#*#1575#*#* – Realiza teste de funcionamento do GPS;
 
*#*#232331#*#*  – Testa o funcionamento do Bluetooth;
 
*#*#232337#*#  – Mostra o endereço Bluetooth do aparelho;
 
*#*#2663#*#* – Exibe a versão do touchscreen;
 
*#*#2664#*#*  – Teste de touchscreen;
 
*#*#0588#*#*  – Teste do sensor de proximidade;
 
*#*#3264#*#* – Teste de memória RAM.
 
*#*#7594#*#*
 
Este código, exclusivo para smartphone antigos, permite modificar as funcionalidades dos botões “Power” e “End Call” no celular. Após digitar o código, mantenha pressionada uma das teclas para que um menu apareça. Você pode configurar para que o celular desligue ao segurar uma das duas teclas, por exemplo.
 
*#*#273283*255*663282*#*#*
 
O código acima abre uma opção de backup para os arquivos do seu Android. Essa opção cria uma cópia de segurança completa incluindo suas imagens, vídeos, músicas e muito mais.
– Outras opções para exibir versões do sistema e drivers:
Os códigos abaixo permitem ver versões de firmware de outras partes de hardware do aparelho. Essas informações também podem ser visualizadas através do código *#*#4636#*#*.
 
*#*#1234#*#* – PDA e telefone.
 
*#*#4986*2650468#*#* – PDA, telefone, H/W, RFCallDate.
 
*#*#1111#*#* – Versão do software  FTA.
 
*#*#2222#*#* – Versão do hardware FTA.
 

Como usar o Tor no google chrome

Ao navegar pela web utilizamos uma infinidade de recursos que não percebemos. São protocolos de transferência de arquivos, serviços de Proxy (descubra o que é esse conceito em “O que é proxy?”), servidores de dados, entre muitos outros.

Aonde passando, acabamos deixando resquícios de nossa presença virtual. Esses registros são a fonte de informação para a ação de pessoas mal-intencionada, os famosos hackers e crackers. O caminho deixado por nossa navegação abre portas para que invasores indesejados tenham acesso a nossos dados pessoais.

Uma maneira muito eficaz de se livrar dessas ameaças é utilizar recursos de anonimato, os quais mantêm sua privacidade intocável. Nesse sentido, o Baixaki preparou uma combinação de dois aplicativos – o Tor e o Proxy Switchy – como uma arma poderosa para quem utiliza o Google Chrome. Confira como aprimorar sua defesa contra perigos virtuais.

 

Aumente sua segurança enquanto navega!

 

Pré-requisitos

 

Guia passo a passo para adicionar o Tor ao Google Chrome e navegar no completo anonimato

 

Guia passo a passo para adicionar o Tor ao Google Chrome e navegar no completo anonimato

 

Guia passo a passo para adicionar o Tor ao Google Chrome e navegar no completo anonimato

 

Faça você mesmo

Com os aplicativos citados no tópico anterior devidamente instalados, você está pronto para iniciar o procedimento de configuração do Tor no Google Chrome. O primeiro passo é identificar os dados de Proxy ativos no gerenciador de navegação anônima. Para isso clique no botão “Configurações” (1) e anote o valor do campo endereço (2).

Guia passo a passo para adicionar o Tor ao Google Chrome e navegar no completo anonimato

Agora acesse a seção “Proxy Profiles” do Proxy Switchy! – complemento para o navegador da Google. Esse segmento é exibido assim que o plugin é instalado. Nesta tela, defina um nome para o perfil à sua escolha (3), marque a caixa referente à opção “Manual Configuration” (4), insira os valores coletados no passo 2 nos campos “HTTP Proxy” (5) e “Port” (6) – conforme ilustra a imagem seguinte –, selecione a caixa “Use the same Proxy Server for all protocols” (7) e clique em “Save” (8).

 

Guia passo a passo para adicionar o Tor ao Google Chrome e navegar no completo anonimato

Feito isso, acesse a aba “General” (9), ative a opção “Quick Switch” (10), selecione o modo “Binary Switch” e configure o “Profile 1” com “(Direct Connection)” e o “Profile 2” com o perfil criado por você (11). Para finalizar, pressione o botão “Save” (12).

Guia passo a passo para adicionar o Tor ao Google Chrome e navegar no completo anonimato

O seu sistema de anonimato de navegação com ativação direta pelo browser está pronto. Para usufruir das funcionalidades do que acabou de construir, basta pressionar o botão do Proxy Switchy! com o ícone de um globo terrestre localizado ao lado da Barra de endereço (13).

Guia passo a passo para adicionar o Tor ao Google Chrome e navegar no completo anonimato

 Uma ressalva muito importante: verifique sempre que necessitar usar esse recurso criado se o Tor está aberto, caso contrário, a função do Proxy Switchy! não terá efeito. Tendo essa premissa cumprida, sua navegação pela web ocorre com maior segurança. Ninguém terá acesso a vestígios de sua passagem em sites e serviços online. Lembre-se que as páginas vão requisitar autenticação, ou seja, precisam ser registradas no Tor. Na primeira visita a cada site é preciso autenticá-lo, fato que pode ser bem incômodo no começo, mas que deve safa-lo de muitas situações arriscadas na web.

 

Pule a tela inicial no Windows

Pule a tela inicial no Windows

Com a atualização para o Windows 8.1, você não precisa mais passar pela interface Modern para chegar ao desktop. A empresa incluiu uma opção para que o sistema esqueça a tela inicial e vá diretamente para o antigo desktop.

Para habilitar o recurso, clique com o botão direito do mouse na barra de tarefas do desktop antigo e escolha Propriedades no menu de contexto. Na guia Navegação, localize a marque a opção Ir para a área de trabalho e não para a tela inicial, quando eu entrar. Clique em Aplicar e em OK.

 

Via: InfoAbril

Embarcadero lança concurso de aplicativos móveis para Android e iOS

A empresa americana Embarcadero Technologies está anunciando seu Concurso Cultural App para desenvolvedores brasileiros de aplicativos móveis para sistemas operacionais Android e iOS. A, empresa, que é fornecedora de ferramentas de bancos de dados e desenvolvimento de software, quer estimular a produção de apps em linguagem Pascal no mercado.

Os participantes do concurso têm até dia 29 de novembro para inscrever quantas apps quiserem. Inscrições e mais informações podem ser encontradas no site do concurso: www.embarcaderobr.com.br/concursocultural.

Na inscrição os desenvolvedores precisam enviar os aplicativos para serem avaliados pela equipe julgadora. Os critérios de avaliação incluem criatividade, empregabilidade, usabilidade e funcionalidade das aplicações. O resultado final será anunciado no dia 16 de dezembro. Os finalistas receberão prêmios da Embarcadero e o primeiro colocado  receberá um vale compras da Fnac, no valor de dez mil reais.

A empresa realiza o concurso pelo segundo ano consecutivo. “Fomos surpreendidos com o grande número de aplicativos que recebemos no concurso realizado no ano passado”, afirma José Eugênio Braga, presidente da Embarcadero do Brasil. Um dos produtos fornecidos pela empresa, o Delphi, tem na sua nova versão recurso que viabiliza a construção de aplicações nativas tanto para iOS quanto para Android.

Fundada em 1993, a Embarcadero tem sua sede em São Francisco, com escritórios espalhados pelo mundo.

Via: IDGNow

YouTube sai do ar por 30 minutos e irrita usuários na web

Uma breve queda do YouTube na noite desta segunda-feira, 18/11, foi um dos piores bugs da história do site de vídeos, de acordo com o Downdetector, empresa que usa reclamações no Twitter e outras fontes para impedir o impacto de quedas on-line.

Por volta das 20h, o site começou a exibir uma página de texto que trazia a mensagem de erro “500 internal service error”. O aviso dizia: “Desculpe, algo deu errado. Uma equipe de macacos altamente treinados foi despachada para lidar com essa situação” (em tradução livre a partir do original).

O YouTube emitiu um comunicado sobre o assunto, mas não uma razão imediata para a queda, que durou cerca de 30 minutos, nem especificou quantas pessoas foram afetadas pelo bug na web.

“Algumas pessoas encontraram erros, ou uma experiência mais lenta do que o normal hoje no YouTube. Trabalhamos rapidamente para resolver o problema e resolvemos a questão. Sentimos muito por qualquer incoveniência que isso possa ter causado.”

 

youtubeerro2013.jpg

O índice do YouTube no Downdetector subiu rapidamente para quase 20 mil informes de problemas no site. As outras quedas registradas no site não haviam gerado nem 1 mil informes.

O site de vídeos do Google afirma qreceber mais de 1 bilhão de visitantes únicos por mês.

 

Via: IDGNow

Armas feitas com impressora 3D explodem em teste feito nos EUA

A Agência de Alcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos (ATF) liberou nesta semana vídeos de testes com armas de plástico feitas com impressoras 3D que mostra algumas delas explodindo no primeiro tiro. As explosões podem machucar os usuários, de acordo com os testes.

Um vídeo em câmera lenta captura uma arma feita via impressoras 3D explodindo na hora de disparar o primeiro tiro.

A ATF vem testando armas feitas com materiais plásticos comuns via impressoras 3D no último para determinar o nível de segurança delas.

Os especialistas em armas de fogo da ATF testaram uma arma 3D criada por polímeros da VisiJet. A arma explodiu de forma contínua no primeiro tiro.

As armas feitas com um dos dois termoplásticos testados, um polímero da VisiJet, nunca duravam mais do que um tiro antes de explodirem. O outro material, ABS, podia produzir uma arma que disparasse oito tiros sem nenhum incidente.

Os agentes interromperam os disparos após oito balas, de acordo com um porta-voz da ATF.

“Depende do material assim como da qualidade da impressora. As duas variáveis contam”, explica o porta-voz.

No entanto, o porta-voz não identificou quais as impressoras 3D usadas nos testes nem quais os arquicos CAD que foram baixados para criar essas armas citadas acima.

Vale notar que uma das armas testadas se parece com a The Liberator, que é a primeira arma feita via impressora 3D (veja vídeo abaixo) . Ela foi criada por Cody Wilson, da Defense Distributed, que defende a liberação desses tipos de armamentos para a população em geral.

 

Via: IDGNow