O polêmico Lulu: saiba o que é, como funciona e como evitar avaliações

lulu

Na última semana, um aplicativo ganhou destaque nas timelines dos brasileiros. Trata-se do Lulu, aplicativo que avalia a performance sexual de homens e é de uso exclusivo das mulheres. Disponível para desktop, Android e iOS, o Lulu funciona a partir da sincronização com o perfil do Facebook e permite que a usuária faça uma espécie de “resenha” de algum amigo, ex-namorado, ficante, etc. que seja seu amigo na rede social, ou ainda, que veja as impressões de alguém que achou interessante, mas não conhece. 

A avaliação é feita por meio de questões de múltipla escolha e de hashtags que representam pontos negativos e positivos, como #filhinhodamamãe, #nãovailigarnodiaseguinte ou #sorrisoépico. No final, o conjunto gera uma nota de 1 a 10. Apesar de ser vinculada ao perfil do homem, a avaliação não é vista por ele, do mesmo jeito que as resenhas são anônimas e, consequentemente, não são vistas nem mesmo pelas participantes do Lulu.

Igor LuluLulu em ação: o perfil de um homem vira brincadeira entre elas, mas, no final, só elas ficam sabendo das qualidades deles.

Conforme as avaliações são feitas, o homem recebe uma média, além de ter atreladas no seu perfil as hashtags mais usadas e todos os números de ex-namoradas, amigas ou “interessadas”.

O app foi criado pela britânica Alexandra Chong e lançado em fevereiro nos Estados Unidos. Contudo, chegou ao Brasil só agora. Segundo Chong, a escolha pelo Brasil está relacionada ao fato das pessoas serem muito sociáveis aqui. 

Em entrevista ao Mashable em junho, a fundadora disse que o app ajuda a informar as mulheres sobre características importantes de um homem, “colocando a garota no controle”. Entretanto, tal ideia trouxe à tona diversas discussões. Enquanto alguns apoiam que as mulheres “deem o troco” nas avaliações feitas pelos homens, outros já acham que a iniciativa é errada se feita de ambos os lados.

Se você é homem e quer evitar essas avaliações, fique tranquilo. O Lulu permite que você faça uma autoavaliação para, posteriormente, ser reavaliado. Contudo, se você quiser excluir seu perfil no Lulu mesmo assim, basta entrar no site oficial do app e pedir pela exclusão, ou ainda baixar o aplicativo, que identifica automaticamente o gênero e exclui o homem do banco de dados.


Via: Canaltech

Anúncios

Fundador do Google ensina como abandonar seu iPhone e ir para o Android

Se você está migrando do iOS para um dispositivo Android, vale a pena checar as dicas que um dos fundadores do Google, Eric Schmidt, publicou em sua página pessoal do Google+. Em uma postagem nesta segunda-feira, dia 25, o executivo aumenta as suas táticas para convencer os consumidores a fazerem a troca.

Co-fundador do Google, Eric Schmidt, postou no Google+ benefícios e dicas de como transferir seus arquivos e contatos do iPhone para Android (Foto: Reprodução/The Guardian)
Co-fundador do Google, Eric Schmidt, postou no Google+ benefícios e dicas de como transferir seus arquivos e contatos do iPhone para Android (Foto: Reprodução/The Guardian)

“Como as pessoas que migraram de PCs para Macs e não mudaram de volta, você vai mudar de iPhone para o Android e nunca mais vai voltar. Ele apresenta a facilidade de guardar em nuvem e tantas outras opções para você”, explica Schmidt, que já fez parte do conselho da Apple entre 2006 e 2009, mas decidiu sair pela crescente concorrência com o Google. A principal dica publicada é sobre a importação de contatos do iCloud para o Gmail, que segue o seguinte passo a passo:

Passo 1. Atualizar o iPhone para o iOS 7.

Passo 2. Fazer o backup dos contatos no iCloud.

Passo 3. Ativar a sincronização de contatos no Gmail.

A partir daí, segundo Schmidt, você já poderá ver seus contatos no Android. Se o procedimento não funcionar, entretanto, você pode tentar por meio de um microSD, algo que você pode aprender melhor lendo este tutorial.

No geral, o executivo não trouxe novidades, mas é interessante notar esse tipo de informação em seu perfil na rede social da companhia. Afinal, se você quiser realmente comprar um Android no Natal e deixar o iPhone de lado, vai precisar de uma ajuda extra para transferir seus dados de um smartphone para outro.

O executivo também faz questão de apontar a dominância de 80% do Android no mundo. Ele só não se pronunciou sobre a falta de atualização dos dispositivos com o sistema. Apesar da maioria dos aparelhos já rodarem Jelly Bean, ainda há mais da metade dos usuários presos em versões antigas.

 

Via: techtudo

Embarcadero lança concurso de aplicativos móveis para Android e iOS

A empresa americana Embarcadero Technologies está anunciando seu Concurso Cultural App para desenvolvedores brasileiros de aplicativos móveis para sistemas operacionais Android e iOS. A, empresa, que é fornecedora de ferramentas de bancos de dados e desenvolvimento de software, quer estimular a produção de apps em linguagem Pascal no mercado.

Os participantes do concurso têm até dia 29 de novembro para inscrever quantas apps quiserem. Inscrições e mais informações podem ser encontradas no site do concurso: www.embarcaderobr.com.br/concursocultural.

Na inscrição os desenvolvedores precisam enviar os aplicativos para serem avaliados pela equipe julgadora. Os critérios de avaliação incluem criatividade, empregabilidade, usabilidade e funcionalidade das aplicações. O resultado final será anunciado no dia 16 de dezembro. Os finalistas receberão prêmios da Embarcadero e o primeiro colocado  receberá um vale compras da Fnac, no valor de dez mil reais.

A empresa realiza o concurso pelo segundo ano consecutivo. “Fomos surpreendidos com o grande número de aplicativos que recebemos no concurso realizado no ano passado”, afirma José Eugênio Braga, presidente da Embarcadero do Brasil. Um dos produtos fornecidos pela empresa, o Delphi, tem na sua nova versão recurso que viabiliza a construção de aplicações nativas tanto para iOS quanto para Android.

Fundada em 1993, a Embarcadero tem sua sede em São Francisco, com escritórios espalhados pelo mundo.

Via: IDGNow