14 apps para aproveitar melhor as férias

photopin
Como são suas férias ideais? Chegou a hora de começar a pensar nisso. As aulas estão chegando ao fim, o recesso de final de ano está se aproximando e, quando você menos esperar, já é 2014! Então não fique parado: aproveite esse período ao máximo!
Nesta lista, separamos os mais variados aplicativos que podem ajudar a curtir essa merecida folga. Para os que vão viajar, tem apps para reservar vôos, hospedagem e também guias turísticos. Quem prefere férias mais tranquilas, pode baixar algum dos aplicativos que oferecem boas leituras ou que ajudam a recuperar o sono perdido. Há, também, games divertidos e apps para auxiliar nos exercícios físicos.
 
Via: INFO

iPhone ‘explodido’ por estudante revela funcionamento do vibracall

Você já parou para pensar em como funciona o vibracall do celular? Para descobrir isso, uma estudante de Design e Reparo de Eletrônicos desmontrou o iPhone 3GS. A ideia é mostrar seu sistema de alerta vibratório acionado, em tempo real, ao receber uma chamada telefônica.

Alerta vibratório é feito por meio de um braço de metal que se movimenta no interior do smartphone (Foto: Reprodução/YouTube)
Alerta vibratório é feito por meio de um braço de metal que se movimenta no interior do smartphone (Foto: Reprodução/YouTube)

No projeto apresentado por Mirte Becker, o modelo da Apple foi completamente desmontado e posto em uma redoma de vidro, mantendo todos os conectores funcionando. Ao receber uma chamada, é possível ver um pequeno braço de metal vibrar no interior do aparelho, peça que faz o restante da carcaça tremer quando montado. O recurso vibracall foi estreado nos anos de 1990 pela Motorola StarTac e faz o telefone vibrar todas as vezes que recebe uma chamada ou notificação de aplicativo.

Junto com a tela e o processador, essa é um das funções que mais gastam a carga de um smartphone. Isso acontece porque é necessário mover rapidamente o metal para que a vibração seja transferida para o material externo. Lembre-se então de desabilitar alertas vibratórios desnecessários sempre que possível, caso deseje que sua bateria dure mais.

Veja mais detalhes no vídeo demonstrativo do vibracall:

Novos iPhones 5S e 5C chegam ao Brasil; preços vão até R$3.600

Os novos iPhones 5S e 5C finalmente estão entre nós. Após serem apresentados e lançados em setembro nos EUA, os smartphones da Apple desembarcaram nesta sexta-feira, 22/11, nas lojas do Brasil.

Muitas lojas de operadoras e revendas, inclusive, abriram as portas à meia-noite de quinta para sexta para que os usuários mais aficionados pudessem ser os primeiros a colocar as mãos nos novos aparelhos.

iPhone 5S

O iPhone 5S, novo top de linha da Apple, chega com o preço mais alto da história para um smartphone da Apple vendido no Brasil. O modelo básico, de 16GB, sai por 2.800 reais, enquanto que a versão de 32GB custa 3.200 reais. Já o mais completo, com 64GB, custa nada menos que 3.600 reais.

Sucessor oficial do iPhone 5, o 5S tem a mesma tela de 4 polegadas, está disponível nas cores preto, dourado e prateado e traz um chip A7, da Apple, de 64-bit, além do exclusivo leitor de digitais Touch ID. O aparelho também possui câmera traseira de 8MP e frontal de 1,2MP.

iPhone 5C

Já o iPhone 5C é uma versão de “baixo custo” do iPhone 5. Com basicamente as mesmas especificações internas do aparelho lançado em 2012, o smartphone se diferencia por ter o corpo feito de plástico e estar disponível em um total de cinco cores: amarelo, azul, branco, rosa e verde.

Com preços a partir de 2 mil reais, para o modelo de 16GB, o iPhone 5C também custa menos do que o iPhone 5 que até alguns atrás estava sendo vendido por 2.300 reais. Já a versão de 32GB sai por 2.400 reais.

iphone5chandson01.jpg

Vale notar que os dois aparelhos são compatíveis com as redes 3G e 4G disponíveis no Brasil.

Pós-pago

Ao contrário da TIM, que só oferece aparelhos desbloqueados pelos preços citados acima, a Claro, a Oi e a Vivo oferecem também opções atreladas a planos de voz e dados, que trazem preços menores de entrada. Mas é bom ficar de olho na conta total para não acabar gastando mais por meio dos planos.

Na Claro, por exemplo, o 5S  de 16GB é vendido por 1.700 reais, mediante contratação do plano Claro Online 5G + 400 minutos de conversa + torpedos + DDD.

Para quem pode pagar o preço à vista, uma boa saída é o desconto oferecido nesta modalidade por lojas como a Fast Shop, onde o iPhone 5C de 16GB vê seu preço cair de 2 mil reais para 1.800 reais, por exemplo.

 

Via: Macworldbrasil

 

Vivo paga até R$ 700 por smartphone usado na compra de um novo

A Vivo lança nesta quinta-feira o programa “Renova”, que dá desconto de até R$ 700 na troca de um smartphone usado por um novo nas lojas próprias da operadora. O valor depende do modelo e estado de conservação do aparelho e deve ser aplicado na hora da compra.

Segundo a operadora, para utilizar o serviço é preciso ter em mãos a nota fiscal original do produto em nome do cliente. Usuários de outras operadoras também podem trazer modelos antigos e aproveitar o desconto.

A maioria dos celulares contemplados é da Samsung (Galaxy S, Galaxy S Advance, Galaxy SII, Galaxy SIII, Galaxy SIII mini, Galaxy S Duos, Galaxy Grand Duos, Galaxy Note), seguida pela Apple (iPhone4, iPhone 4S e iPhone5), Nokia (E5-00 e N8-00), Sony (Xperia U) e Motorola (XT910).

As primeiras lojas a oferecer o desconto são da Grande São Paulo e do Rio de Janeiro.  Posteriormente, o programa deverá ser estendido a todas as 310 lojas próprias da empresa no Brasil.

O Vivo Renova funciona em parceria com a empresa norte-americana Brightstar, que já utiliza o modelo de negócio “buyback” em mais de vinte países. Os aparelhos entregues serão recuperados pela Brightstar em suas unidades em vários países e, em seguida, comercializados.

 

Via: olhardigital

Como bloquear seu PC e usar seu smartphone como chave?

Os usuários de computador com Windows têm poucas alternativas para travar seus PCs de forma nativa; somente por tempo de inatividade ou manualmente. Há alguns apps, no entanto, que podem ser baixados em seu celular e servirem como uma possibilidade de garantir segurança e privacidade em computadores com Bluetooth.

Ative o Bluetooth do seu aparelho e o deixe descoberto (Foto: Reprodução/Paulo Alves)Ative o Bluetooth do seu aparelho e deixe-o descoberto (Foto: Reprodução/Paulo Alves)

Passo 1. Aproxime o celular do PC e habilite o Bluetooth de seu smartphone.

Passo 2. No PC, selecione, com o botão direito, o ícone Bluetooth. Clique em ‘Adicionar Dispositivo Bluetooth’ e siga as instruções na tela.

Descubra o app que possibilita controlar seu PC pelo celular no Fórum do TechTudo.

Clique na opção marcada para parear seu smartphone ao PC (Foto: Reprodução/Paulo Alves)Clique na opção marcada para parear seu smartphone ao PC (Foto: Reprodução/Paulo Alves)

Passo 3. Baixe o BTProximity e abra o programa. Ele aparecerá na barra de ferramentas do Windows. Clique no botão direito e escolha a opção “Configure”.

Abra o BTProximity e configure (Foto: Reprodução/Paulo Alves)Abra o BTProximity e configure (Foto: Reprodução/Paulo Alves)

Passo 4. Em ‘Device Adress’, clique em ‘Select’, espere o programa listar seu aparelho e, então, escolha o seu smartphone com um duplo-clique.

Escolha seu dispositivo na lista (Foto: Reprodução/Paulo Alves)Escolha o seu dispositivo na lista (Foto: Reprodução/Paulo Alves)

Passo 5. Em ‘Locking’, selecione a opção ‘Lock when device goes out of range’. No campo abaixo, coloque o número 1 para que o PC trave rapidamente assim que seu smartphone se afastar.

Marque a opção para travar o PC quando o smartphone for desconectado e diminua para 1 as tentativas de conexão (Foto: Reprodução/Paulo Alves)Marque a opção para travar o PC quando o smartphone for desconectado e diminua para 1 as tentativas de conexão (Foto: Reprodução/Paulo Alves)

Passo 6. Em ‘Unlocking’, clique no botão marcado com o símbolo de administrador do sistema para instalar o componente de desbloqueio.

Clique no botão para instalar o recurso de destravamento (Foto: Reprodução/Paulo Alves)Clique no botão para instalar o recurso de destravamento (Foto: Reprodução/Paulo Alves)

Passo 7. Clique em ‘Manage Credentials’ e insira login e senha, os mesmos que você usa para desbloquear seu computador.

Insira as mesmas credenciais que você usa para desbloquear o PC (Foto: Reprodução/Paulo Alves)Insira as mesmas credenciais que você usa para desbloquear o PC (Foto: Reprodução/Paulo Alves)

Passo 8. Marque a opção ‘Unlock when device comes into range’ para desbloquear o computador sempre que o smartphone pareado estiver próximo.

Marque essa opção para destravar o PC quando o smartphone estiver próximo (Foto: Reprodução/Paulo Alves)

Marque essa opção para destravar o PC quando o smartphone estiver próximo (Foto: Reprodução/Paulo Alves)

Pronto! Agora é só clicar em ‘Ok’ e desfrutar do bloqueio e desbloqueio automático do seu PC usando a conexão Bluetooth do seu celular. Se preferir, você pode também fazer com que o computador entre em suspensão ou hibernação sempre que for desconectado do smartphone, marcando as opções correspondentes na configuração do BTProximity.

 

Via: techtudo

Motorola lança Moto G, versão mais barata do Moto X, por R$650

A Motorola anunciou nesta quarta-feira, em um evento realizado em São Paulo, o lançamento global de mais um membro de sua família de smartphones Android. Batizado de Moto G o aparelho pode ser visto como uma versão “mini” do Moto X, com hardware mais modesto, porém os mesmos recursos de software.

O aparelho é baseado em um processador quad-core da Qualcomm rodando a 1.2 GHz, acompanhado por 1 GB de RAM e 8 GB ou 16 GB de memória interna, infelizmente sem slot para expansão via micro SD. A tela de 4.5 polegadas tem resolução HD, e segundo a Motorola é maior e mais nítida que a de aparelhos premium como o iPhone 5S. A câmera traseira tem 5 MP, com Flash, e a frontal tem 1.3 MP. O aparelho é compatível com redes 3G e Wi-Fi nos padrões 802.11 b, g e n e tem uma interface Bluetooth 4.0. Há um rádio FM, e em alguns países (imaginamos que entre eles o Brasil) haverá uma versão Dual-SIM.

O sistema operacional é o Android 4.3, com alguns dos recursos de software que tornaram o Moto X famoso, entre eles o Motorola Migrate, que ajuda a migrar dados de um outro smartphone Android, o Motorola Assist, que ajusta o aparelho de acordo com o perfil de uso no momento (dirigindo, em reunião, etc) e a nova interface da câmera, mais simples e intuitiva. Infelizmente recursos como os comandos de voz e notificações inteligentes não estão presentes. Quem comprar o aparelho também ganha 65 GB de espaço no Google Drive para armazenamento online.

A Motorola garante que o aparelho receberá uma atualização para o Android 4.4 “KitKat”, a versão mais recente do sistema operacional, até janeiro de 2014.

motog_cores-400px.jpg

 
As várias cores do Moto G

 

O Moto G tem a tampa traseira removível, o que torna fácil mudar a cor do aparelho: basta trocar a tampa. Inicialmente sete cores estarão disponíveis, branca, preta, azul marinho, azul claro, amarelo, vermelho e rosa. A Maotorola também irá oferecer uma capa similar à “Smart Cover” do Galaxy S4, e “bumpers” que cobrem as laterais do aparelho e o protegem em caso de queda.

Para a Motorola o objetivo com o Moto G é oferecer um aparelho com tecnologia moderna e a mesma experiëncia de um smartphone premium, mas uma fração do preço. Nos EUA a versão de 8 GB do Moto G estará disponível por US$ 179 sem contrato com uma operadora, e a de 16 GB sairá por US$ 199.

O aparelho chega hoje (13/11) às lojas no Brasil, em versões com um ou dois chips custando a partir de R$ 649. A Motorola também oferecerá duas edições especiais: a Colors Edition virá acompanhada por quatro capas coloridas (amarela, vermelha, branca e preta) e chega às lojas a partir de 18 de Novembro por R$ 799. Já a Music Edition vem acompanhada por fones de ouvido sem fio Air Tracks, da Sol Republic, por R$ 999 e chega às lojas no início de Dezembro.

Via: IDGNow

Review: novo Nokia Lumia 1020 pode ser a sua próxima câmera compacta

Quando o assunto são boas câmeras em smartphones a Nokia tem uma longa história. Lembro-me bem do frenesi causado pela impressionante (para a época) câmera de 5 MP do N95, da expectativa pelo N8 com sua câmera de 12 MP e do espanto coletivo quando o 808 PureView, com sua câmera de 41 MP, foi lançado no início de 2012.

A Nokia reaproveitou o termo “PureView” quando lançou o Lumia 920, apresentando-o como um pacote de tecnologias para melhores fotos, entre elas um sensor de câmera maior capaz de captar mais luz e estabilização óptica de imagem, em vez de uma referência a uma resolução específica do sensor. Ainda assim, um PureView de 8 MP parecia pouco depois que já havíamos sentido o gostinho de algo ainda melhor.

Por isso o Lumia 1020 começou a chamar a atenção logo que os primeiros rumores sobre o projeto começaram a circular. Um Windows Phone com um sensor de imagem de 41 MP parecia combinar o melhor de dois mundos: a qualidade de imagem do 808 PureView com o sistema operacional e hardware modernos dos Lumia. Uma máquina capaz de não só fazer boas imagens, como também de rodar todos aqueles apps e serviços com os quais nos acostumamos no dia-a-dia.

E não é que a mistura deu certo? Como smartphone o Lumia 1020 é bastante capaz, e como câmera faz fotos excelentes, dando ao usuário uma flexibilidade nunca antes vista em um aparelho tão compacto.

Design e hardware

O Lumia 1020 lembra muito o 920, um retângulo com laterais arredondadas e corpo sólido em policarbonato (plástico). O modelo que testamos, preto, tem um acabamento fosco que ajuda a esconder marcas de dedos, enquanto os modelos branco e amarelo tem acabamento brilhante. A traseira é fixa, então não é possível mudar a cor do aparelho trocando a tampa, como no Lumia 820.

No topo ficam o slot para um SIM Card (micro SIM) e o conector para fones de ouvido, e embaixo os alto-falantes, um slot por onde você pode passar uma pulseira (como em uma câmera) e o conector micro USB.

Todos os botões ficam na lateral direita: controle de volume no topo, um botão liga/desliga centralizado e um botão para a câmera no canto inferior. O Lumia 1020 não tem um slot para cartões de memória, nem há uma forma de conectá-lo diretamente a uma TV de alta-definição.

A principal diferença no design do Lumia 1020 em relação ao 920 está na traseira: o imenso módulo circular da câmera, que abriga a lente Carl-Zeiss, sensor, flash Xenon e LED para foco ou iluminação auxiliar durante filmagens.

lumia1020_traseira-580px.jpg
É impossível não notar o módulo da câmera na traseira do Lumia 1020

Nesse ponto o aparelho chega a 1,4 cm de espessura, o que impressiona considerando que a maioria dos smartphones top no mercado está abaixo dos 8 mm, mas não chega a incomodar no bolso. Veja o lado bom: é muito menos do que os 2,5 cm do Galaxy S4 Zoom (com a lente retraída). E no geral o Lumia 1020 é mais leve que o Lumia 920 (158 contra 185 gramas) e, descontando o módulo da câmera, mais fino (10,4 contra 10,7 mm).

Quando publicamos o review norte-americano do Lumia 1020 alguns leitores reagiram fortemente quando o autor classificou o hardware como “datado”. Mas é verdade: o processador é um Qualcomm Snapdragon MSM8960 dual-core de 1,5 GHz, o mesmo de modelos anteriores como o Lumia 820 e 920, e que já era usado no Motorola RAZR HD, um smartphone Android que chegou às lojas no Brasil em setembro de 2012. E telas HD (1280 x 768 pixels) deixaram de ser novidade mesmo entre os Windows Phone com o Lumia 920, lançado no exterior em novembro do ano passado. Felizmente nada disso prejudica o desempenho, como veremos adiante.

lumia1020_perfil-580px.jpg
Perfil do Lumia 1020. Se não considerarmos a câmera, ele é mais fino que o Lumia 920

O Lumia 1020 tem 32 GB de memória interna (cerca de 29 GB disponíveis), 2 GB de RAM, NFC (para facilitar a troca de arquivos entre aparelhos e comunicação com acessórios), suporte a redes 4G e 3G e a redes Wi-Fi em todos os principais padrões do mercado: 802.11 a/b/g e n. Também há Rádio FM, o que é algo raro entre os smartphones topo de linha.

Software

O Lumia 1020 roda o sistema operacional Windows Phone 8 já com a atualização Lumia Amber, que começou a ser distribuída aos outros aparelhos da empresa em agosto deste ano. Se você já usou um smartphone com o Windows Phone 8, ou mesmo um PC com o Windows 8, estará em casa: a interface baseada em blocos dinâmicos é exatamente a mesma.

O sistema inclui uma versão “de bolso” dos aplicativos do Office (Word, Excel, PowerPoint, OneNote) e tem excelente integração com serviços da Microsoft como o SkyDrive, Xbox Live e Xbox Music. A Nokia adiciona alguns apps e serviços extras, como o HERE Maps e HERE Drive+ (mapas e navegação), Nokia Camera, o serviço de música online Nokia Música e o Nokia Care, que tem um Guia do Usuário e dicas de como usar o aparelho. Também há o Data Sense, que permite monitorar o uso do plano de dados.

Um recurso interessante que foi adicionado ao sistema é a Glance Screen. Mesmo com a tela desligada o aparelho pode exibir um relógio (em cinza) sobre fundo preto quando você o tira do bolso ou paira a mão sobre a tela. Como a tela é AMOLED e só as partes “acesas” consomem energia, o consumo nesse modo é menor do que se você acordasse o aparelho inteiro só para ver que horas são. É um conceito que foi importado de um outro aparelho da Nokia, o N9. Outra idéia reaproveitada da mesma fonte é dar dois toques na tela para acordar o smartphone, em vez de pressionar o botão na lateral direita.

Infelizmente a Glance Screen mostra praticamente só o relógio, um ícone se o aparelho estiver carregando e outro se estiver no modo silecioso. Seria interessante se a Nokia aproveitasse as idéias da Motorola no Moto X, mostrando também notificações pendentes e permitindo até que você interaja de forma limitada com elas sem ter se acordar o smartphone.

Vale mencionar que a plataforma Windows Phone vem amadurecendo, e o número de aplicativos, especialmente o dos aplicativos mais populares entre os usuários, vem crescendo. Ainda não dá para comparar com o Android ou mesmo o iOS, especialmente em categorias como jogos, mas você terá de abrir mão de pouca coisa na plataforma da Microsoft.

Até mesmo o Instagram, que era a principal ausência até pouco tempo atrás, já não é mais problema: há um cliente não oficial e gratuito chamado6Tag que tem todos os recursos dos clientes oficiais para o iOS e Android, permitindo ver e postar fotos (com os mesmos filtros) e vídeos, além de curtir e comentar imagens. E um cliente oficial deve ser lançado em breve, junto com clientes para outros serviços como o Vine e Flipboard.

Um bug irritante me incomodou durante o período que passei com o Lumia 1020: por duas vezes o corretor automático do teclado simplesmente decidiu ignorar minhas preferências de idioma (Português) e reverter para o inglês. Para voltar ao Português tive de mudar o idioma do aparelho para qualquer outro em região+idioma, na tela de Configurações, reiniciar o smartphone, redefinir o idioma para o português e reiniciar novamente.

Câmera

A câmera é o principal destaque do Lumia 1020, tanto pela resolução (41 MP) e tamanho (1/1.5”) do sensor, muito maiores que a média dos smartphones e mesmo câmeras domésticas, quanto pela qualidade das imagens e flexibilidade oferecida ao fotógrafo pelo conjunto de controles manuais no aplicativo Nokia Camera.

Vamos começar pela resolução: devido a diferenças no formato do sensor (circular) e das fotos (retangulares), a resolução real das imagens é um pouco menor que os 41 MP. Fotos na proporção 16:9 (“wide”) tem resolução de 7712 x 4352 pixels, cerca de 34 MP. Já as feitas na proporção 4:3 tem resolução de 7136 x 5360 pixels, cerca de 38 MP.

Ainda assim é muita informação. Os arquivos JPEG tem entre 8 e 12 MB cada, dependendo da imagem. Para facilitar o compartilhamento, por padrão o Lumia 1020 cria automaticamente uma cópia de cada imagem redimensionada para 5 MP com um tamanho muito mais razoável, entre 1 e 2 MB. Sempre que você compartilhar uma imagem usando o aparelho, seja via e-mail, Twitter, Instagram ou Facebook, estará usando a versão de 5 MP. As imagens originais só são acessíveis quando você pluga o smartphone a um PC.

A altíssima resolução permite alguns truques bem legais. Um deles é a possibilidade de reenquadrar a cena usando o aplicativo Nokia Camera. Basicamente ele faz um recorte da imagem na proporção escolhida (como 16:9, 4:3 ou 1:1) e gera um arquivo de 5 MP com o resultado.

Isso torna possível fazer uma foto rapidamente sem se preocupar muito com os detalhes, e enquadrar a cena da forma que achar melhor depois. Ou então produzir uma nova imagem focando em um detalhe que passou desapercebido na hora do clique, ou que você deseja destacar. Graças à resolução, mesmo os recortes podem produzir fotos impressas de alta qualidade. A imagem abaixo (clique para ampliar) é um recorte em 5 MP de um original de 34 MP.

lumia1020_vespa_5mp-580px.jpg
Recorte em 5 MP de uma imagem de 34 MP feita com o Lumia 1020
Clique para ampliar, ou baixe o arquivo original (cuidado, são 10 MB!)

Os controles manuais oferecem ainda mais flexibilidade.  É possível definir o comportamento do flash, balanço de branco, foco, ISO (100 a 4000), velocidade do obturador (1/16000 a 4 segundos) e compensar a exposição (-3.0 a +3.0). Quem conhece o significado de cada um destes parâmetros poderá se divertir muito e obter fotos que seriam impossíveis com outros aparelhos, como belas cenas noturnas.

Por exemplo, a foto abaixo foi feita com ISO 100, exposição de 2 segundos e balanço de branco manual (fluorescente). O smartphone foi segurado nas mãos, e meus cotovelos estavam apoiados em uma mureta. Mesmo com o maior tempo de exposição e pouca luz, o estabilizador óptico ajudou a evitar que a foto saísse tremida.

lumia1020_noturna-580px.jpg
Foto noturna feita com o Lumia 1020. Clique para ampliar

Compare com a mesma cena fotografada por um Samsung Galaxy S4.

gs4_sample_noite-600px.jpg
Foto noturna feita com o Galaxy S4. Clique para ampliar

Mas é claro que você não precisa entender de fotografia para fazer boas fotos com o Lumia 1020. Mesmo no modo completamente automático ele é capaz de produzir imagens como estas:

lumia1020_fonte-580px.jpg
Foto feita com o Nokia Lumia 1020. Clique para ampliar (cuidado, são 9,2 MB!)

lumia1020_paodeacucar-580px.jpg
Foto feita com o Nokia Lumia 1020. Clique para ampliar (cuidado, são 8,7 MB!)

Também há um modo para fotos panorâmicas, que produz imagens em alta resolução, ao contrário da maioria dos aparelhos do mercado. A foto abaixo, por exemplo, tem 6412 x 1614 pixels. Fazer uma panorâmica é fácil, basta bater a primeira foto e mover o smartphone seguindo as indicações na tela. Mas mesmo com uma mão firme podem haver problemas com a “costura” da imagem em objetos distantes no horizonte (veja o mar próximo ao centro da imagem, à esquerda do Pão de Açúcar).

lumia1020_panorama-580px.jpg
Foto panorâmica feita com o Lumia 1020. Clique para ampliar (2,8 MB)

O Lumia 1020 também tem todos os recursos do aplicativo Smart Camera encontrado em aparelhos como o 920 e o 820. Entre eles a capacidade de capturar e manipular uma sequência de imagens, produzindo uma animação, removendo objetos ou pessoas que passaram no fundo ou combinando múltiplos quadros em uma imagem, gerando um “rastro” de movimento.

Na hora de gravar vídeo as opções são mais modestas: é possível gravar em Full HD (1920 x 1080 pixels) ou HD (1280 x 720 pixels) a 30, 25 ou 24 quadros por segundo. Não há nenhum dos recursos de gravação em câmera lenta ou vídeo em HDR, que estão se tornando comuns em outros aparelhos.

Desempenho e Autonomia de Bateria

Como tem o mesmo processador, o desempenho do Lumia 1020 é idêntico ao do 820 ou 920. Não tivemos problemas no dia-a-dia, seja ao reproduzir vídeos em alta-definição, navegar na web ou jogar games mais sofisticados como Asphalt 7 e Modern Combat 4. O sistema operacional Windows Phone 8 é bastante otimizado para o hardware e roda com excelente fluidez, sem engasgos em animações ou pausas ao alternar entre aplicativos.

O único momento onde desejei um pouco mais de desempenho foi justamente na hora de fazer fotos em alta resolução usando o app Nokia Camera. O aparelho leva cerca de três segundos para salvar uma imagem antes de ficar pronto para outra.

Quanto testei o Lumia 820, fiquei extremamente desapontado com a autonomia de bateria. Fico feliz em dizer que o Lumia 1020, apesar da tela maior, melhorou muito o resultado, mas ainda assim não é o bastante: terminei um dia de uso típico, cerca de 13 horas fora da tomada, com 5% de carga restante. Um Sony Xperia ZQ chega à mesma marca com 15% de carga restante, um Samsung Galaxy S4 com 19%, e um Motorola Moto X com 20%. Já em nosso teste de reprodução de vídeo, feito com o brilho da tela no nível médio e o aparelho em modo avião, o Lumia 1020 chegou à merca de 10 horas.

lumia1020_bateria-400px.jpg
A autonomia de bateria do Lumia 1020 deixou a desejar em relação aos concorrentes

A autonomia será muito menor se você fizer uso intenso da câmera, e quem se empolgar com os cliques pode facilmente consumir metade da carga em cerca de duas horas. Mas a Nokia dá uma forcinha para os fotógrafos mais ávidos: um acessório chamado Camera Grip se encaixa ao aparelho e dá a ele a “pegada” de uma câmera tradicional, com encaixe para um tripé e uma bateria extra de 1020 mAh (metade da capacidade da bateria interna) embutida na empunhadura.

lumia1020_cameragrip-580px.jpg
Camera Grip melhora a ergonomia e traz bateria extra

Não se assuste se a tela esquentar consideravelmente após uma longa sessão de fotos, isso é normal. A temperatura nunca chega a um ponto perigoso, mas é o suficiente para assustar um usuário desavisado.

Veredito

Quem gosta de fotografar tem no Lumia 1020 um prato cheio: de forma alguma ele irá substituir uma DSLR, e nem deve ser visto como tal, mas você não irá se arrepender se deixar sua câmera compacta em casa. E pode até se pegar observando seus arredores com outros olhos em busca de boas fotos.

Como smartphone ele é bastante capaz, mas não se destaca muito em relação aos outros Windows Phone: a plataforma é bastante homogênea, e a diferença na experiência de uso entre ele e um aparelho mais barato como o Lumia 820 é mínima. Ainda assim, é mais do que suficiente para satisfazer o usuário típico em todas as suas necessidades do dia-a-dia.

Via: idgnow